sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Tarte de Outono

Cores e Sabores de Outono

Para a massa
  • 200 g de farinha
  • 75 g de açúcar
  • 1 Ovo
  • 100 g de manteiga
  • Raspa de meio limão
Para o recheio
  • 300 g de açúcar amarelo
  • 1 Chávena chá de água
  • 4 Ovos
  • Sumo de meio limão
  • Nozes q. b.
  • Avelãs q. b.
  • Figos q.b.
  • Canela em pó q. b. 

Ligue o forno a 180 º.
Comece pelo recheio levando ao lume açúcar com a chávena de água a ferver durante 5 minutos. Deixe arrefecer. Bata os ovos inteiros e quando a calda de açúcar estiver morna junte os ovos mexendo bem. Depois junte a canela em pó e o sumo de limão. Leve de novo ao lume brando, a fim de o creme ganhar um pouco de consistência.
Para a massa misture o ovo com o açúcar, a manteiga derretida e por fim a farinha e a raspa de limão. Amasse bem e forre uma forma de tarte previamente untada com manteiga. Parta as nozes, as avelãs e os figos e coloque no fundo da tarteira. Por fim deite por cima o creme e leve a tarte ao forno cerca de 45 m a 160º. Verifique e quando douradinha retire e deixe arrefecer.


 O desejo de um Outono repleto de cores e sabores...



terça-feira, 25 de setembro de 2012

Batatas Recheadas


Por vezes lembramo-nos de receitas antigas, que se vão perdendo no tempo. É o caso destas batatas recheadas. Já não as fazia desde, que a minha filha era pequena. É uma receita que vem da minha infância e que era feita vulgarmente pela minha Mãe e Avó materna.


É simples, tradicional, sabe a comida caseira, enche a cozinha de aroma de guisado, aquenta o palato e preenche a envolvente tranquila de uma refeição familiar.

 

 

 
Pode acompanhar com uma salada ou legumes cozidos. Neste caso estufei ervilhas juntamente com as batatas.








Bom apetite.
 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Fofos de Natas e Laranja


São fofos, doces, leves, macios e gulosos. Encostam-se ao céu-da-boca e deixam-se amolentar. Come-se um e depois outro…
Quando se dá por ela temos, que nos dominar. Chamei-lhes de fofos de natas e laranja, pois são os sabores, que se fazem realçar.  

Tentem-se...


Ingredientes:
  • 4 Ovos
  • 250g de natas
  • 2 Colheres de sopa de manteiga
  • 150g de açúcar
  • 150g de farinha com fermento
  • Raspa e sumo de 1 laranja.

Comece por ligar o forno a 180º. Depois barre um tabuleiro (com cerca de 40x30 cm) com manteiga e polvilhe com farinha.  Numa tigela misture o açúcar com a manteiga derretida e as natas até obter um creme esbranquiçado. Junte os ovos um a um e continue a bater bem. Junte a raspa e o sumo da laranja e por fim a farinha cuidadosamente de forma a não formar grumos, batendo bem até fazer bolhas.

Coloque a massa no tabuleiro. Reduza o forno para 160º e deixe cozer cerca de 20m. Verifique com um palito, desenforme sobre um papel vegetal, deixe arrefecer e corte aos quadrados. Polvilhe com açúcar ou a seu gosto.




Estes simples bolos comem-se de olhos fechados e como tal, aqui deixo uma música, que gosto e que vem mesmo a propósito:


"Close Your Eyes - Stacey Kent"


O desejo de um bom início de semana.


domingo, 23 de setembro de 2012

Doce de Figo


OUTONO - DOCE DE FIGOS

 
Como tributo ao Outono que acaba de entrar, aqui fica uma receita de doce de figos, para saborear, num dia em que as folhas rodopiam no movimento do vento e das primeiras chuvas.
 
 
Delicodoce


  • 1 kg de figos pingo de mel
  • 500 g de açúcar
  • 1 Pau de canela
  • Sumo de meio limão
  • Cravo-da-Índia
 
Passe os figos por água e abra-os com a mão em 4 bocados. A seguir, coloque-os num tacho com o açúcar, a canela, o sumo de limão e o cravinho, e deixe macerar durante algum tempo.
 
Depois, leve ao lume, a ferver lentamente e vá mexendo para não se pegar ao fundo. Verifique se está em ponto de estrada e desligue.
 
Este doce atinge mais rapidamente o ponto, pelo que devemos ter atenção, de forma a não ficar espesso demais.Deixe o doce arrefecer ligeiramente e encha frascos até ao cimo. Limpe bem os bordos. Feche bem, e vire os frascos com as tampas para baixo, até arrefecer. 
 
Este doce é ótimo para acompanhar com bolachas, tostas, bolos e até gelados.
 

Delicodoce

Delicodoce

Delicodoce



"Repara, que o outono é mais estação da alma do que da natureza" (Nietzsche).


 O desejo de uma ótima semana. :)

 

sábado, 22 de setembro de 2012

Carabineiros Grelhados

Hoje aqui fica uma ideia, para dias especiais, ou não :)



Ingredientes:
  • 4 Gambas grandes (1 por pessoa)
  • 2 Vagens de piripiri
  • 3 Dentes de alho
  • 1 Colher de sobremesa de orégãos
  • Salsa e salva q.b.
  • Pimenta em grão q. b.
  • 1 dl de azeite
  • Pimentão q.b.
  • ½ Sumo de limão 
Lave as gambas em água corrente e com cuidado abra-as ao meio com uma faca bem afiada.

Corte as vagens de piripiri aos pedacinhos e deite num almofariz. Junte os dentes de alho, os orégãos, a salsa e a salva picada, o sal, a pimenta acabada de moer, o pimentão e um fio de azeite. Pise bem e faça uma massa.

Com esta massa unte bem os camarões e deixe tomar o gosto por alguns minutos. Depois grelhe as gambas cerca de 2 minutos de cada lado, sobre uma grelha.

Retire e regue com um fio de azeite e com o sumo de limão. Enfeite com mais ervas aromáticas.




 Pode acompanhar com uma salada, uma boa fatia de pão e um vinho verde fresquinho.



sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Selinho da Márcia


Qual não é o espanto, quando há pouco vejo que a Márcia do blog “Prata da Casa” me presenteou com um fofo e amoroso selinho.
Fiquei muito feliz e cheia de vaidade em saber que no meio do Atlântico na lindíssima ilha de S. Miguel, Açores há uma Pessoa Maravilhosa, que à distância de um clique, me envia um símbolo como prova de amizade, reconhecendo assim a partilha e  um pouco de mim. O blog da Márcia é um dos que mais visito pelas suas ideias originais, autenticidade, qualidade e descrição. Podem conferir aqui todos os atributos a que me refiro.

De acordo com as regras da partilha devo escolher, 5 amigas para lhes oferecer também como presente, e elas por sua vez deverão escolher mais 5 amigas e atribuírem-lhes o selinho. Claro que caso queiram, pois não é obrigatório.

Existem muitos e muitos outros blogs, a quem desejaria atribuir este selinho. Porém porque o nº é restrito e alguns até já tinham sido presenteados, ;) aqui fica a oferta com muito carinho e dedicação aos seguintes blogs:  

4 - http://www.luisaalexandra.com/ - Alexandra

Fica a certeza que outras oportunidades virão para trocarmos estes miminhos, e o desejo de um dia muito feliz a todas(os) blogueiras(os) deste imenso mundo virtual.


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Figos

Figos com Pão

Os figos são aquele fruto, que associo sempre à minha infância.


Delicodoce


Em criança o jogo era subir às árvores numa aventura de heroína imitando irmãos rapazes, e em que o traje sendo um empecilho, aliado à falta de treino, causava joelhos ou tornozelos arranhados, mas compensando num enorme prazer pelo repasto e pelo símbolo do triunfo de habilidades de garota.

A bela figueira, que havia para lá do muro da escola, era grande, quase selvagem, mas majestosa. O tronco cinza salpicado de manchas brancas não era muito longo, e ramificava-se generosamente, para, que a pequenada o trepasse até quase perto da sua densa e frondosa copa. As folhas eram largas verdes e recortadas como hastes de veado. Os frutos carnudos e luzidios pendiam dos galhos, uns rijos, outros suculentos, pingando seiva de mel num rogo de descoberta do seu interior. Outros já meio abertos pelo labor dos pássaros, perfumavam a brisa cálida e brilhavam exibindo múltiplas sementes do rosa ao violáceo cobertas de cintilo melaço, que só os lábios sabem saborear.   

Era assim, que em dias quentes, eu trepava algumas daquelas pernadas, num movimento de equilíbrio e atrapalhação apanhando pelas minhas pequenas mãos, alguns frutos numa sofreguidão e num misto de medo, desejo e gula.

Por vezes no meio da precipitação soltava-se a desilusão, quando o fruto apanhado no embaraço, ao abrir, mostrava-se ainda verde de leite, seco e desbotado.  

Porém, os maduros, esses eram de pele fina, moles, com mil sementes, cobertos de suco doce de mel. Comiam-se aos pares, esquecendo as horas e no final limpavam-se as mãos ao bibe, ficando com o carimbo das marcas de tal façanha, acreditando piedosamente, que correndo para casa, chegaria sempre com um ar de menina bem comportada.

Eram assim alguns finais de tarde bem passados, em que na inexistência da atual tecnologia, se experienciava a aventura, e o transgredir dos limites. Conheciam-se os aromas de um fruto, as cores, os paladares e se vivenciavam as emoções do brincar e do aprender, retendo algumas memórias, que hoje se tornaram em belas e felizes recordações.



Delicodoce


Hoje, claro que já não subo às árvores, :) mas aprecio figos com o mesmo prazer e vontade. A minha opção preferida é a mais simples. Abro-os ao meio e como-os com uma fatia de pão.


terça-feira, 18 de setembro de 2012

Pudim de Maçã

Depressa e bem, não há quem...

Hoje numa fugida, aqui deixo uma receita de um pudim, que sendo muito prático, também é muito bom.


Delicodoce

Ingredientes:
  • 1kg de maçãs cozidas em puré
  • 5 ovos inteiros
  • 1 lata de leite condensado
  • 4 colheres de açúcar
  • 1/2 limão sumo e raspa
  • canela q. b.


Comece por cozer as maças em pouca água e assim que cozidas, escorra-as muito bem e  reduza-as em puré com a varinha mágica. Depois caramelize o açúcar e forre uma forma de pudim.

Numa tigela misture o puré de maçã com os ovos, o leite condensado, a raspa e o sumo de limão e a canela. Misture tudo muito bem, deite na forma caramelizada e leve a cozer em banho-maria cerca de 50m. Verifique com um palito se está cozido. Retire e deixe arrefecer. Desenforme com cuidado e decore a seu gosto.


Delicodoce


Como diz o ditado: "depressa e bem não há quem".

Ora foi o que aconteceu. A pressa em o provar foi tal, que o pudim foi desenformado ainda quente e saiu meio desmanchado, mas garanto-vos, que ninguém por aqui reclamou.

Gulosos? Nós cá em casa? Nem por isso... :)



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Doce de Tomate

Já a minha avó dizia (naquela época), que no tempo do tomate toda a mulher é boa cozinheira.

Na verdade é um fruto maravilhoso e faz milagres, e assim sendo, cá por casa entra em quase todas as refeições. Até em doce (apesar de ser um pouco mais trabalhoso), todos os anos é feito em alguma quantidade, pois é o doce preferido do meu "Guloso Mor".

Falando de tomate e dos vários tipos, aqui fica alguma breve informação, sobre este fruto tão original. 

Delicodoce

Nome: O tomate é o fruto do tomateiro (Solanum lycopersicum; Solanaceae). Embora geralmente considerado como legume, é, na verdade, um fruto. Trata-se de um fruto, dado que é o produto do desenvolvimento do ovário e do óvulo da flor, formando o pericarpo e as sementes, respetivamente, após a fecundação. 

Origem: É originário das Américas Central e do Sul, onde era amplamente cultivado e consumido pelos povos pré-colombianos, sendo atualmente cultivado e consumido em todo o mundo.

Propriedades: É rico em licopeno e contém vitamina C. 

Segundo estudos efetuados, concluíu-se que o tomate tem propriedades antioxidantes, mostrando que a sua ingestão garante uma ação protetora contra os radicais livres, que pode atingir os 70%. O facto de terem propriedades antioxidantes, ajuda a diminuir os níveis de triglicéridos e colesterol.

Tipos mais comuns de tomate:

-    Tomate redondo: é o mais vulgar e existe em vários tons, do vermelho ao amarelo. É o mais rentável para a indústria alimentar na produção de derivados, como polpas, ketchup ou conservas, por ter valores de sólidos solúveis mais concentrados.

-  Tomate chucha ou cacho: Existem diversas variedades deste tipo, tendo em comum o modo de cultivo, o que permite que diversos frutos amadureçam ao mesmo tempo num único ramo. É o fruto com maior riqueza em compostos com ação antioxidante, nomeadamente os compostos fenólicos – ácidos fenólicos e flavonóides e, por isso, com melhores resultados no combate ao envelhecimento celular.

-    Tomate verde: é colhido antes de amadurecer. É embrulhado em papel e deixado à temperatura ambiente, amadurecendo lentamente até ficar vermelho, mas nunca será doce. Firme e ácido, o tomate verde costuma ser preparado em compota e com vinagre.

-  Tomate-cereja: pequeno tomate redondo, vermelho ou amarelo, mais adocicado e menos ácido que o comum. É ideal para servir em aperitivos e espetadinhas. Caracteriza-se como o mais seguro, a nível de contaminação microbiana (Escherichia coli, mesófilos, coliformes totais, bolores e leveduras).

-  Tomatillo: pequeno tomate redondo e verde embrulhado numa vagem semelhante a papel. É muito acidificado e costuma cozer-se. É típico do México e do Sudoeste dos EUA, não sendo muito comum encontrar-se à venda. 
(Origem da informação e foto:  Wikipédia, a enciclopédia livre Seleções) 

 Receita de doce de tomate:

-        1 kg de tomate maduro  (sem pele e pevides)
-        600 g de açúcar
-        1 Pau de canela
-        Casca de limão
-        1 Cravo-da-Índia  

Comece por pelar o tomate, retire as grainhas e deixe escorrer. A seguir, coloque num tacho o tomate, o açúcar, a canela, a casca de limão e os cravinhos, e deixe macerar durante algum tempo. 

Depois, leve a mistura ao lume, a ferver lentamente, até obter ponto de estrada, ou seja, de modo a que ao colocar doce num prato, faça estrada, ao passar com uma colher.

Deixe o doce arrefecer ligeiramente e encha frascos até ao cimo. Limpe bem os bordos. Feche bem, e vire os frascos com as tampas para baixo, até arrefecer. Durante o processo de arrefecimento os frascos criarão vácuo fazendo com que não criem bolor ou fungos e é nesta posição, que devem ser guardados até ao momento de serem consumidos.


Delicodoce

Delicodoce

Delicodoce


Boa guloseima :)


sábado, 8 de setembro de 2012

Setembro quente

Amanhecer no meu jardim...


É Setembro e as manhãs rompem quentes numa combinação de aromas e sensações. Cheira a terra seca e à fragância doce e ácida dos frutos caídos no chão. Pelo lado Oeste sopra uma leve aragem a maresia vinda dos rochedos despidos e das algas prostradas e lambidas pela maré.  

As folhas das árvores tingem-se de castanhos, vermelhos, dourados, e as flores multicolores resistem em cachos pendentes num final de verão. As hastes das buganvílias pendem faustosas como cercaduras de um majestoso manto de princesa. Soltam-se-lhes as flores fúchsia das pernadas rolando pelo chão num suave sonido como um arrasto de papel.

Os pássaros bebericam gotas de água, que restam da rega anterior, assustando-se ao ínfimo sinal, e esvoaçam num súbito ímpeto. As formigas impávidas desfilam por enormes filões transportando mantimentos, antes que as primeiras chuvas de Outono apareçam. Algumas voltam atrás apressadas, comunicam entre si, e sem bulício entram em orifícios ínfimos, que servem de celeiros, ao labor e azáfama de todo um quente verão.

Ao fundo por um muro estreito e branco, em estilo de trapezista passa o gato apaparicado da vizinha. Vem de mansinho com um ar matreiro de quem pernoitou fora e regressa pela manhã. Galga por cima do estendal, sobe ao telhado e salta. Ouvem-se as falas frágeis e lamechas da dona, dando graças, sabendo que ele é a sua única companhia.

Do lado norte surge um aroma adocicado a bolos quentes de forno acabados de fazer. São da padaria dois quarteirões acima, onde preparam quantidades de pão e bolos para abastecer o mercado local.

Olho o céu, pintado de azul celeste, raiado pelo sol que desponta, e vejo lá bem no alto gaivotas esvoaçando como guardiãs da cidade, que tão calmamente alvorece.

Tudo isto comtemplo sentada nas escadas de pedra polida do meu jardim, desfrutando as sensações do amanhecer.

Nesta serenidade, adivinho emoções dos meus antepassados, que noutro século sonharam uma casa, por onde gerações se cruzaram, e onde hoje permaneço contemplando como outros decerto o fizeram.


Delicodoce


Delicodoce


Delicodoce
Assim amanhece nas escadas do meu jardim em Setembro de 2012.


terça-feira, 4 de setembro de 2012

Tarte de Alperces

Em forma de ladainha...
 
  





 
 
Ingredientes:
 
  • 250 g de bolachas Maria
  • 200 g de queijo creme
  • 200 g de açúcar
  • 150 g de manteiga
  • 2 iogurtes gregos
  • 2 dl de natas
  • 6 folhas de gelatina
  • 8 alperces
 
Triture as bolachas e deite numa taça. Derreta a manteiga e junte às bolachas amasse e misture bem. Com esta massa forre uma forma de fundo amovível, pressione bem e reserve.
 
Demolhe as folhas de gelatina em água fria. De seguida misture o queijo creme com o açúcar, junte os iogurtes e bata muito bem. Escorra as folhas de gelatina, derreta-as em banho-maria ou no micro-ondas sem deixar ferver e junte-as em fio ao preparado anterior.
 
Bata as natas em chantilly e envolva cuidadosamente na mistura. Descasque os alperces e corte metade às fatias e triture a outra metade, de forma a ficar um creme suave de alperce.
 
Coloque dentro da massa de bolachas metade do creme, a seguir disponha fatias de alperce e por fim o restante creme. Termine com a camada de creme de alperces. 
 
Bom apetite.